World Piano nº 1 – Mozart Bossa Nova

O Young Chang do Café Landtmann

(for english switch to the english flag!)

Buscar pianos por ai é tarefa difícil. Achar violão, reco reco, pandeiro é mais fácil. Tão bonito quanto, mas dá pra carregar e levar embora. Brasil tem música de levar no colo, que nem criança. O piano é grande e pesado, fica lá te esperando e você tem que ir até ele. É um senhor, daqueles com relógio de bolso que precisamos dar corda.

Vienna é, ao contrario daqui, o país do piano. Mozart, Schubert, Haydn, Schoenberg, Mahler, Webern só pra começar a lista, que é imensa. Ela é comprida porque existe uma tradição, a cultura do lugar cultiva a sua praxis. Aqui no Brasil, por mais que existam pianistas excelentes (sim temos muitos!), somos conhecidos por outra lista: Baden Powell, Dilermano Reis, Dino 7 Cordas, Garoto, João Gilberto, Egberto Gismonti, Hélio Delmiro, Raphael Rabello, Yamandú Costa. Outra lista imensa, mas do instrumento que se leva no colo.

Estou longe de sustentar um ciúme, ou querer criar uma rixa boba entre piano e violão, mas quero provar o ponto de que se colhe o que se planta. A semente violonística brasileira parece vingar mais rápido. Portanto, acho válido começar esta sessão de pianos e suas cidades com uma em que a semente mais forte é nosso instrumento de estudo. Vienna é mais do que apropriada.

Esta sessão infelizmente não seguirá um cronograma, preciso estar de ferias para faze-los, mas quando possível postarei pianos internacionais.

Vienna é linda como toda cidade que já foi centro de impérios muito antigos e que acumularam muito dinheiro e, portanto, fizeram questão de que a cidade representasse tudo o que havia de melhor daquele povo, daquela cultura. Com muitos monumentos, parques e teatros, ela tem tons de branco da arquitetura e verde dos parques. Estive lá no verão e é interessante observar como a cidade pertence aos moradores, eles a ocupam nos gramados, nos passeios de barco pelo canal do rio Danúbio ou o rio Vienna, nas piscinas públicas, nas bicicletas, nos cafés. Um ponto turístico necessário a todos que estão na cidade é o Ringstrasse. Trata-se de uma avenida circular que foi construida em volta do centro de Vienna, a avenida substituiu uma antiga muralha que protegia a cidade contra invasões. A expansão dos bairros e a dificuldade com o transito até eles, fez com que em 1857, o imperador Franz Joseph I demolisse a muralha e começasse a construção deste anel viário.  Ao longo dos anos outras construções importantes foram acompanhando o curso da avenida, como o Museu de História Natural, o de Arte, a Ópera, o Parlament, o castelo imperial Hofburg. Sigmund Freud tinha o hábito de andar pela avenida todos os dias, olhava os monumentos e parava para um café no Café Landtmann, onde está nosso piano.

Não estamos falando de um lugar comum, o lugar é histórico, uma instituição vienense, foi e é frequentado por notáveis além do próprio Freud, Gustav Mahler, Marlene Dietrich, Hillary Clinton e Sir Paul McCartney. Platéia de peso.

Foi fundado em 1873 por Franz Landtmann, um empresario que veio de uma família simples de trabalhadores industriais. O café foi inaugurado com a pretenção de ser o café mais elegante da cidade. Na época, um teatro estava sendo construido bem na frente do local e o senhor Landtmann sofria com terríveis dores de cabeça até que decidiu vendê-lo. Em 1881, Wilhelm Kerl comprou o café e o dirigiu pelos 45 anos seguintes.

Kerl era muito bem relacionado na cidade, muito sociável e famoso pelo seu carisma, depois  que cumpria suas incumbências profissionais, ele jogava tarot para seus clientes.

Mas a carta que a história da Aústria tirou do baralho foi a carta sombria da morte e a Primeira Guerra Mundial atingiu a Europa inteira. O país entrou em crise e a comida era escassa, faltava leite e o café teve que cortar itens do cardápio, como o Einspänner, o café com leite, era servido um café diluido com água. Foram excluídos a famosa Sachertorte, uma torta doce típica, e o Melange, que é o cappuccino deles. Para fazer o Kipferl, uma espécie de croissant, as pessoas tinham que levar sua própria porção de farinha fornecida pelo estado e o Landtmann se encarregava de assá-la.  A mulher de Kerl ficou muito doente e o café foi vendido mais uma vez.

Karl Kraus, que assumiu o café em 1916, vinha de família rica, mas não conseguia manter o padrão alto do café. As depredações e saques eram constantes e ele foi convocado para lutar. Foi capturado e virou prisioneiro de Guerra na Sibéria durante 6 anos e meio. Sua mulher, sem saber seu paradeiro, acabou vendendo o café. Quando ele voltou, tudo tinha mudado e o café não era mais dele.

As manifestações em Vienna sempre ocorreram no Ringstrasse, próximo ao Landtmann, onde está o Parlamento Vienense. O pós Guerra foi devastador para toda a Europa, a Aústria entrou em uma grande crise e as pessoas estavam desesperadas. Entre outras coisas, esta falta de perspectiva foi um elemento chave para a Segunda Guerra que ainda viria. A inflação era imensa e Konrad Zauner, o novo dono do Landtman, tentava ao máximo manter as portas do café abertas em 1926, quando o adquiriu.

Zeppelin sobrevoa Rinstrasse, 1931

Como estratégia de negócios, ele atraiu várias celebridades de Vienna: atores, músicos, professores universitários de prestígio, artístas e politicos. O lugar tornou-se badalado e em voga. Foi inaugurado o Golden Book, um livro no qual as notáveis personalidades deixavam seus recados para o Landtmann. Era uma época de muito engajamento politico, mas o café, assim como seu dono, fizeram questão de manter o lugar neutro, onde ambos os lados poderiam ser clientes.

No entanto, o nazismo e a Segunda Guerra fizeram com que esta neutralidade não pudesse ser mais sustentada. Ou você acenava para Hitler, ou a morte era teu destino. Sabendo da influência do café na sociedade da cidade, o Landtmann foi ocupado, e os nazistas assinaram com tinta preta o Golden Book do café.

Vienna foi bombardeada 52 vezes durante neste período, o Schwarzenberg Palace, entre outros prédios, foi completamente destruído. Durante os bombardeios, todos se recolhiam no porão do prédio, e eles improvisaram uma cozinha lá embaixo para tentar continuar a trabalhar. Muitos se abrigavam em seus porões, mas os escombros eram tantos que não se conseguia sair, e eles morriam sufocados. No Landtmann, toda vez que se descia, eles levavam uma arma, caso isso ficassem presos. Assim, eles poderiam acabar com seus sofrimentos rapidamente e se livrar de morrerem lentamente sufocados. Os russos tomaram o café e colocaram uma metralhadora no terraço do prédio, em uma época em que os saques eram constantes.

Em 1955, foi assinado o Austrian State Treaty, negociado pelo chanceler da época Julius Raab e a Aústria se tornou um estado republicano livre finalmente. A festa de celebração deste acordo aconteceu nos salões do Landtmann, que testemunhou de perto a retirada dos nazistas de sua cidade.

Julius Raab tomando seu café.

Outros tempos vieram e em 1975, Herbert Querfeld comprou o café da viúva Zauner, depois que Erwin morreu em um acidente de carro. A família Querfeld vinha do ramo de eletroeletrônicos e gerencia o lugar até hoje. Eles modernizaram o estabelecimento, ampliaram o terraço, fizeram uma sala de conferência e padronizaram a sua gestão de negócios em cafés. A Família é proprietária de mais seis estabelecimentos, os tradicionais Café Mozart, Café Residenz, Café Museum, Hofburg, Park Café e o Landtmann`s Patisserie.

Para restaurar o clima elegante desejado pelo fundador, Querfeld fez questão que no salão principal tivesse….um piano. Inusitado é que, no país do piano, no café mais marcante de Vienna, o piano é Coreano. É um piano de armário preto da marca Young Chang, que fica na cidade Incheon, na Coréia do Sul. A empresa que tem se destacado na area por aglutinar várias outras marcas de instrumentos musicais como a Samick  e a Squier (guitarras) e a Kurzweil (teclados), também produz a linha de pianos Essex para a Steinways & Sons. Ela foi comprada pela gigante Hyundai em 2006 e é a maior fabricante de pianos da Coréia do Sul. O piano está impecável, afinado, é da série platinum da marca e mesmo sendo um piano de armário, no qual o som é mais seco, ele possui um bom sustain. Pode ser também pela posição do piano no grande salão.

Fiz questão de tocar uma música brasileira, mostrar para os “gringos” nossa música de colo, de leveza e sofisticação, de convencimento sedutor que é a Bossa Nova. Toquei Dindi, do Tom.

São tantas referências simbólicas nesta história que fica até difícil terminá-la. A quantidade de informação em um só lugar, que no ano que vem completa 140 anos, consegue narrar a história da cidade de uma maneira muito particular. Fazendo pão, servindo café, recebendo gente, a singeleza das coisas que compõem a cultura de um lugar. Querfeld diz que não se pode gerenciar o Landtmann como um museu, ele precisa estar vivo para os dias de hoje. Uma constante renovação, reconstruída literalmente de muito escombro. Deixar o passado ir, torná-lo tão leve que dá pra levar no colo, como a música de violão no Brasil.

Um beijo até o próximo piano.

Alessa

Vídeo: Adriana Camarinha

Ps 1: Um enorme agradecimento para Adriana Camarinha, Amanda Camarinha, Roman Fussthaler, Barbara Fussthaler e Christian Karli, dos quais sem a gentileza e a ajuda este post não seria possível. Um brinde a vocês!

Ps 2: Visitei a loja dos incríveis pianos da Böesendorfer Pianos, vi e toquei em modelos desesperadores de tão lindos. Inclusive no modelo exclusivo de aniversário ao artista Gustav Klimt.

  • Alessa, o post tá lindo, lindo! O texto, a música escolhida, tudo. Parabéns pelo trabalho!

  • Rosimar em 25 de September de 2012

    Alessa não sei nem o que falar !!! Ficou lindo o seu 1° trabalho internacional.
    É muito gostoso ler seu blog, principalmente, pelo jeito que você tem em relatar os fatos históricos e suas experiências vividas nessa tonica. O vídeo ficou wanderfull!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! bjs

  • Profeloy em 25 de September de 2012

    Alessa, tão gostoso quanto escutar você tocar e cantar, é ler os seus textos.
    Fiquei curioso, foi fácil conseguir tocar lá, eles foram simpáticos ao seu projeto?

    • Alessa em 27 de September de 2012

      Olá Eloy, toquei em dois pianos enquanto estive na europa, em ambos os lugares fui bem recebida e não tive nenhum impedimento ao tocar!
      bjs
      Ale

  • Rosana em 27 de September de 2012

    Linda….linda…linda….ver uma profissional dessa altura…..parabéns !!!
    E que todos vejam e valorizem uma profissional talentosa q esta mostrando para as pessoas os pianos do mundo!! que tem muita gente q não conheçe ou não curte por não ter ouvido o som suave dessa dupla ….Alessa e seus Pianos….bjus linda!!!

  • Pingback: Piano nº 14 – Piano Preto, você é feito de aço. | Alessa, a Cidade e os Pianos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *