Bailes do Brasil

Trilha Sonora | Alessa e Cauê Benetti

Mixagem 5.1. | Confraria de Sons e Charutos

Curadoria| Ricardo Feldman e Jum Nakao

Assistente de Curadoria e Pesquisa de Imagens | Carolina Vendramini

Produção Executiva | Patrícia k. Godoy

Bailes do Brasil criou através de imagens estáticas e dinâmicas, um espaço sensorial, onde convivem no mesmo espaço cultural a moda e a música, o vestir associado aos ritmos e seus bailados, como se fosse um grande baile musical ao longo do tempo. O recorte proposto, objetiva retratar o verdadeiro espirito da moda brasileira através da assimilação cultural e não via imagens produzidas de moda.

Eram três salas temáticas contempladas no projeto sonoro, a trilha de cada uma foi criada a partir de segmentos fonográficos da época retratada compondo um mosaico sonoro cronológico: a primeira de ambiente rural e tradicional; a segunda referia-se os anos 20, 30 a partir do ponto de vista da cidade e a terceira tinha com tema o processo de globalização de comportamentos. Toda a trilha foi pensada em 5.1. para enfatizar a imersão do visitante neste baile sonoro. Aqui no site, trechos delas foram adaptadas para uma versão em stereo.

Do encontro da música jesuítica com os indígenas à evolução dos ritmos como o cateretê, que ainda hoje é tocado em festas populares. Do lundu, dança africana, com a modinha portuguesa, que se alternaram e se combinaram com valsas, polcas e tangos. Dos chorões à mazurca e o maxixe. Do samba de raiz ao samba urbano, forró, axé, brega. As imagens devem sugerir os suas temporalidades de contextos sociais, históricos e culturais, embaladas pelo repertório musical, na mesma sintonia que a moda de viola convivia com a bossa nova e o cinema novo.

Exibida no Solar da Marquesa de Santos de junho a outubro de 2015, um trajeto conduzia o visitante por diferentes atmosferas refletindo a própria história cultural do Brasil ou Brasis, sem interferir fisicamente na arquitetura tombada. A exibição das fotografias tinha inspiração nos bailes, ritos, ritmos e movimento dos brasileiros com estruturas móbiles para inspirar a conversa entre as imagens.