Piano nº 12 – 피아노 significa piano

 

 

 

Temos 512 anos de Brasil, 458 anos de São Paulo. Eu tenho 29 de vida e 9 aqui nesta cidade. Por mais que o tempo passe, confesso que, saber o que é ser brasileiro é uma dificuldade enorme. Sentir-se paulistano então, é uma conta ainda mais complicada.

Parece que todos nós viemos de outro lugar, mesmos os que nasceram na maternidade Santa Catarina que fica na avenida Paulista. Quanto mais pesquiso, concluo que é da natureza do paulistano incorporar outras culturas. São Paulo não existe, é um Frankestein construido de partes alheias. Um braço do interior, uma orelha do sul, a cabeça do nordeste, o pé da Itália…assim vai. Habitamos todos, este grande monstro pesado, cheio de retalhos e emendas, que se movimenta lentamente. Somos células importadas.

Importamos pianos, importamos gente. Tocamos música, contamos histórias. Parece não haver diferença.

Meus 9 anos de vida paulistana é o mesmo número da idade que tinha Regina Hwang, dona do piano deste post, quando chegou no Brasil. Ela e a família sairam de Seul, na Coréia do Sul, e vieram lançar aquela tal moeda da sorte aqui na capital paulista. Ano que vem, São Paulo comemora 50 anos de imigração Coreana, a comunidade já está preparando as festividades e isso será tema da escola de samba Unidos da Vila Maria. Não tem como misturar mais que isso!

A imigração coreana no Brasil está relacionada ao período de instabilidade que a Coréia vivia nas década de 50 e 60. A Guerra da Coréia foi travada entre 26 de junho de 1950 a 27 de julho de 1953 e dividiu a Coréia em Sul e Norte. A primeira capitalista, apoiada pelos estadunidenses, passou a chamar República da Coréia. A segunda, comunista, apoiada pela União Soviética, passou a chamar República Popular Democrática da Coréia. Hoje conhecemos as duas por Coréia do Sul e Coréia do Norte. Já nesta época pequenos grupos de imigrantes vieram para o Brasil

Uma década depois, a instabilidade política ainda existia e, em 1961, levou a um golpe de estado liderado pelo general Park Chung-hee. As grandes imigrações começaram nesta época. A data oficial é celebrada em 23 de fevereiro de 1963, mas o acervo digital do Museu da Imigração do Estado de São Paulo tem fotos incríveis de viagens de um ano antes, quando navios partiam do porto de Busan na costa da Coréia do Sul para atracar no porto de Santos.

Coreanos saindo do porto de Busan para o Brasil. (imagem: acervo digital Museu da Imigração)

Hoje os coreanos são por volta de 40 mil só em São Paulo, fazendo do Brasil o sexto país em volume de imigrações, com mais ou menos 50 mil. Dominam o setor têxtil de confecção e se concentram nos bairros do Brás e Bom Retiro. Quando vieram, se instalaram na Baixada do Glicério ,que é a região localizada às margens do rio Tamanduateí, nos distritos da Liberdade e da Sé.

Nosso piano fica no restaurante Portal da Coréia, localizado na Rua da Glória, 729 – Liberdade. É um piano alemão de armário, castanho, da marca Gustav Breyer, e tem uma história curiosíssima. Ele pertencia a uma pianista coreana que veio para o Brasil com a família em busca de uma professora de piano, que era ninguém mais ninguém menos do que a grande concertista Magda Tagliaferro, que morava no Rio de Janeiro na época. Segundo o relato de Regina, o piano foi adquirido através dela. Fiquei desesperada para saber o nome da pianista coreana, mas Regina só lembra o sobrenome, An.  O piano precisaria de uma reforma, a afinação está mediana, o som está um pouco carregado nas frequências agudas. Mas o peso da tecla está bom e o teclado está nivelado.

Cantei propositalmente a música Oriente, do Gilberto Gil, que está no antológico disco Expresso 2222, de 1972, disco que ele lançou depois que voltou do exílio em Londres. A canção fala sobre uma busca por uma outra ordem de organização, questiona o jeito de pensar do ocidente/egocentrico e propõe uma virada para os valores orientais, para uma filosofia mais integral com a natureza, para uma retomada da concentração. Como podemos ver nos versos: “pela simples razão de que tudo merece / consideração” e também em “pela simples razão de que tudo depende / de determinação”.

Regina tem o restaurante há três anos. Seu pai chegou em São Paulo em 1970 para trabalhar com confecção e dois anos depois a mãe, que também trabalhou com restaurantes, veio com ela e os dois irmãos. Eram apenas os 5 e a cidade. Idioma, comida, moda, música, clima: tudo diferente.

Os pratos mais conhecidos do restaurante são: o Bulgogi – que são fatias finas de carne com um tempero suave assadas na hora numa chapa quente; e o Dolsot Bibimbap, que é um risoto a moda coreana, cozido no prato de pedra com legumes, shimeji, champignon, carne e ovo. Agustin e eu provamos a comida depois da gravação e eles são fantásticos! É uma ótima pedida para quem gosta de comida oriental, mas está cansado daquela mesmice…Tudo é gostoso.

Além do restaurante, ela é professora de Hankook Muyong, dança tradicional da Coréia, sua verdadeira paixão. Ela e seus alunos já se apresentaram em várias cidades brasileiras. Quando perguntei se ela se considera mais coreana ou brasileira, ela respondeu coreana. Para ela, a vida dentro da comunidade foi muito necessária para conseguir se estruturar em São Paulo.  Porém, esta mesma certeza cultural não é compartilhada pelos 4 filhos dela. De outra geração, as três meninas e um rapaz, que hoje faz faculdade na Coréia do Sul, as outras duas estudaram em faculdades brasileiras, e a caçula de 10 ano ainda está no colégio, oscilam entre uma cultura e outra. Ora se sentem brasileiros, ora coreanos. Estudaram em colégios brasileiros, têm amigos brasileiros e dependeram menos dos laços comunitários coreanos.

Todos eles se sentaram ao Gustav Breyer e estudaram piano.  Escutam K-pop, música pop coreana e a nossa MPB. Estão inseridos na cultura antenada e tecnológica da metropole, filhos do mundo cosmopolita, onde fronteiras não importam muito. São Paulo e Seul não estão separadas por oceanos, mas a um clique de distância.

Acredita-se que os primeiros habitantes da Coréia chegaram lá há aproximadamente 500 mil anos, fundando a dinastia Choson.  O que é o peso desta tradição milenar em comparação com nossos minúsculos 500 anos de descobrimento? Como somos mesmo uma terra jovem! No entanto, os tempos de hoje são regidos pelo signo da transformação. Moderno high-tech e tradição milenar são consonâncias de um mesmo acorde, seja lá na Coréia ou aqui em São Paulo.

Nossa crise de identidade não terá hora para acabar. Mesmo um país com tanta história, como a Coréia do Sul, com milênios no sobrenome tem que se reinventar. Acredito que aqui não será diferente. Talvez com alguns mil anos entederemos mais quem somos e o que estamos fazendo.

Quantos pianos ainda até isso!?!?

Um beijo, até o próximo piano!

Alessa

19/08/2012

Ps: Muito obrigada a querida Natália Lago, por mais uma indicação.

Blog nº 9 – O Som da Oficina.

O Steinway & Sons do Walter Mancini

 

Em memória de Giovanni Sebastiano Aronne 

Quando entrei na faculdade de música, muita coisa era nova pra mim. Vinha do jornalismo, com pouca experiência prática. Lá, como em todas as faculdades, existiam tribos de músicos. Se você era cantor (e eu apenas cantava na época, o piano veio depois), teu universo era Caetano, Chico, Tom, ou seja, canção em geral. Mas se você era do jazz, guitarristas, pianistas e baixistas, teu mundo era outro. Coltrane, Parker, Evans… esses eram seus totens. Graças ao tempo e à maturidade, descobrimos todos, instrumentistas ou não, que os dois mundos são igualmente maravilhosos e inspiradores, não importando o instrumento que você toca.

Mas naquela época lembro que meus amigos do jazz, uma panela bem difícil de conversar, impossível de entrar, tinham um ritual de passagem para o mundo adulto musical. O ritual era tocar no Mancini. Mal sabia eu, que depois de alguns anos, eu teria um blog e estaria no mesmo lugar cantando canções. Enfim, canção e jazz juntos.

Tocar no Mancini não é tarefa fácil. Primeiro você tem que saber qual dos restaurantes do Mancini estamos falando. Na rua Avanhandava, onde todos se localizam, são 8 estabelecimentos comerciais. Mas o lugar em questão fica no número 126, Ristorante Walter Mancini, o próprio nome do homem.

A rua é pequena em extensão, mas imensa em charme. Lá não tem asfalto e sim um ladrilho antigo típico de cidade de interior, os bares colocam suas mesas na calçada, que é cheia de vasos de plantas e árvores. Em cima, de uma ponta a outra, correm luzinhas coloridas que, junto com a fonte colocada na entrada da rua, coroam de cor o entardecer. Tudo isso escondidinho no começo do centro, tendo como vizinhos também ilustres o Copan, o Hotel Braston, que já esteve no blog, assim como o querido Terraço Itália.

foto: Rachel Mancini

Na Avanhandava vemos a mistura fina da tradição com o moderno, com a sofisticação, um centro contaminado, no melhor dos sentidos, com o que a rua Augusta tem de melhor, que é sua irreverência.

Tenho a teoria de que o piano é a imagem e semelhança de seu dono, Aqui acertei em cheio. Walter Mancini é igual a seu Steinway.  Antes de tocar no instrumento conversei com ele, o que foi muito divetido, pois ele é uma fábrica de idéias sem pausa para almoço. Até idéia para o blog, uma segunda temporada, ele me deu, mas esta não vou revelar tão cedo. Contou histórias malucas e encantadoras, como a de um piano August Förster que ficava em um circo e fazia o elefante dançar e que foi arrematado por ele e hoje está em um de seus restaurantes. Ele morou na Avanhandava em 1968, mas voltou no dia 10 de maio de 1980 para inaugurar seu primeiro restaurante o Famiglia Mancini. Depois deste dia não parou mais, teve papel fundamental na revitalização da rua junto com moradores e prefeitura. Depois de vários negócios já consolidados, ele ainda fala empolgado das coisas que estão por vir, coisas ainda a se fazer na rua. É visivelmente apaixonado pelo o que faz.

Walter na década de 80.

Depois de nossa conversa, fui me apresentar ao meu convidado ilustre, Sr. Steinway & Sons. Walter me contou que queria especificamente esta marca de piano, pois os artistas internacionais e nacionais de grande porte gostam de se apresentar em pianos de alto padrão e que o restaurante dele não ficaria fora deste circuito musical.  O Walter Mancini tem música todos os dias, 23 músicos contratados se revezam, tocando de jazz a bossa nova, ou até Beatles, como tocou o pianista que estava de plantão na hora em que fizemos a visita. Música é premissa do restaurante, é ideologia desde o começo, desde o momento da compra do instrumento. Pensamento no longo prazo.

Toquei o standard de jazz Time After Time de Sammy Cahn e Jule Styne de 1947. A música foi muito regravada, duas versões que gosto muito são a da Ella Fitzgerald, de 1966, e a do Chet Baker, de 1954. O piano está afinado, seu som é bem aberto, mesmo de tampa fechada, em cima do piano ficam vários instrumentos e um teclado. Mas ele fala bem alto, o grave então…Tinha tocado em um outro Steinway na minha faculdade antes, pude reparar que em ambos as frequências médio agudas são bem bonitas, a definição do som é muito clara, não dá aquela sensação embolada no som. As teclas não são muito pesadas, mas também não são moles demais. Foi bem diferente tocar em um piano que é usado todo dia, em comparação a pianos que ficam esquecidos. A reverberação do som na madeira do piano dá um outro timbre, ainda mais em um piano que é usado toda hora. Por isso o piano fica com um som grande e aberto, mesmo sendo de 1918. Pianos não tocados ficam com o som mais opaco, confinado dentro da caixa de madeira.

O Steinway do Walter veio de Nova York e antes de parar nas mãos dele, que até arranha umas notas no instrumento, foi restaurado pelo sr. Giovanni Sebastiano Aronne. Nascido na Itália em 1937, ele veio para cá com 16 anos e começou a trabalhar como marceneiro na fábrica de pianos Pianofatura Paulista, inaugurada em 1950. Ela ficava no bairro do Canindé, na Zona Leste. Lá aprendeu as técnicas necessárias para reforma e afinação do instrumento. Em 1961, Aronne abriu sua própria oficina e 9 anos depois a pequena oficina se transformou na Aronne Pianos Ltda. Ele se especializou no manejo de pianos de alto padrão e criou nome pelo Brasil todo. Entre seus clientes estão a TV Cultura, o Teatro Municipal, Teatro Cultura Artística e a Sala São Paulo. Em todos os lugares citados, existem pianos alto padrão, quase todos deles da marca Steinways & Sons.

Giovanni Aronne afinando.

Giovanni Aronne em sua oficina.

Existe uma outra história paralela à dos pianos de São Paulo contada neste blog que é a das pessoas por trás destes pianos, não só os pianistas ou donos de restaurantes, mas dos responsáveis por aquilo existir enquanto instrumento, e não apenas madeira, aço e marfim. As histórias dentro das fábricas, a música das máquinas. Como é que estes artesões fazem com que os sons de cerrote, solda de aço, corda quebrada e madeira envergada que ecoam no espaço aberto de seus armazéns se transformem em notas e consequentemente na minha música. Esta história se escreve com a dedicação de uma família a um ofício, da cultura de se fazer um instrumento transmitido de geração em geração.

Aconteceu com os Steinweg, alemães imigrantes dos EUA que depois de se anglicanizar tornaram-se Steinway e durante anos de pai para filho se tornaram Steinways & Sons, fabricando o pianos mais cobiçado do mundo.

Aconteceu com os Aronne aqui em São Paulo, depois da morte de sr. Giovanni em 2009, Marcelo, Angela e Armando, com quem conversei e me contou toda a história, assumiram os negócios da família e continuam como referência em pianos alto padrão no Brasil.

Pianos são incríveis, várias cordas esticadas e transpassadas, sendo que a cada três delas formam uma tecla. Nesta ponta, Eu. Do outro lado, segurando uma placa de ferro, muitos martelinhos, dentro de um casco enorme de madeira, os Aronne, os Steinways, os Mancinis, o August Förster e seu elefante dançarino, a Avanhandava toda e São Paulo e seus sei lá quanto milhões de habitantes. Todos escutando a trilha sonora desta busca maluca.

Um beijo e até o próximo piano!

Alessa

18/06/2012

Video: Agustin N. Oroz

Foto: Rachel Mancini e divulgação do grupo Mancini / Aronne Pianos.

Ps: A Steinway & Sons tem um história fantástica que não coube aqui em mais detalhes. Vou ter que achar outro piano da marca para contá-la, prometo que acho.

Piano nº 8 – O uruguaio, os gêmeos alemães e a empresa inglesa.

O Zimmermann e o Ritter & Halle do Centro Cultural Aúthos Pagano.
O Zimmermann e o Ritter & Halle do Centro Cultural Aúthos Pagano.

Eu vivo falando sobre o tempo neste blog. Acredito que, como Caetano diria, ele é um dos deuses mais lindos. Para mim, parece que buscar os pianos de São Paulo tem cada vez mais sido como um retorno ao passado.

Seriam os pianos, máquinas do tempo? Toda a história de um lugar em um objeto.

A edição de hoje foi feita no Centro Cultural Aúthos Pagano, que fica no Alto da Lapa. Aúthos Pagano foi um intelectual que nasceu no Uruguai, mas veio para o Brasil ainda menino. Aos 23 anos escreveu a primeira tese de doutorado em economia do Brasil, “Coeficiente Instantâneo de Mortalidade, defendida em 1939, ela lhe rendeu o título de Doutor Honoris Causa em Cuba.

Estudou também, Filosofia, Direito, Estatística e Matemática, no final da vida se interessou por Astronomia, gostava das leituras de Júlio Verne. Lecionou na faculdade Mackenzie no começo dos anos 50 até a data de seu falecimento em 1976.

Sua casa é abarrotada de livros, são mais de 10 mil títulos em sua biblioteca. Só de “A Riqueza das Nações” de Adam Smith são 13 edições. Leitor voraz, colecionar assíduo,  sua esposa, Dra Carmela Antonia Danna Pagano, relata no livro que escreveu sobre o marido, acreditava que o amor pelos livros era uma expressão da confiaça em seu poder mental,  da busca em se devencilhar das gaiolas em que vivemos, seja pelo espaço horizontal ou vertical.  O homem deseja sair deste mundo afora, baseando-se na própria inteligência.

Talvez, as pilha de livro sob sua mesa, nada mais eram do que escadas para o alto de sua imaginação e inteligência. Escadas que o levavam para aquele lugar de vista tão surpreendente quão indecifrável que só o estudo nos faz ver, nos trás a luz. O mantra e a paz da concentração. Um lugar que só existe para gente, em que reconhecemos o nosso mais íntimo individual e ao mesmo tempo nos revela na coletividade.

Todo nerd de carteirinha sabe exatamente do que eu estou falando. Aquela hora que nos perdemos do mundo de cá, que já não ouvimos mais nada a não ser as frequências agudas das sinapses cerebrais e o pulso grave constante do batimento cardíaco e ficamos em sintonia com o que há do outro lado. Conhecer é, sem dúvida, uma tradução do ato de se abrir.

Em 1982, Dra Carmela doou a residência, com todo seu mobiliário e alguns objetos, além dos 10 mil títulos entre livros, periódicos e discos para o Governo do Estado para a criação do Centro Cultural. Hoje no Centro Cultural Aúthos Pagano são realizadas palestras e oficinas de teatro e música, abertas e gratuitas.

A casa em si é linda, projetada pelo arquiteto ucraniano Gregori Warchavchik em 1929, no estilo modernista, foi adquirida pelo casal em 1963. Fica no bairro do Alto da Lapa  que foi planejado no começo do século XX pela “City of San Paulo Improvements & Freehold Land Co.Ltda., S.A”, mais comumente chamada Companhia City. Empresa fundada em 1912, ela foi responsável pela urbanização dos bairros Jardim América, Anhangabaú, City Butantã, Alto da Lapa, Bela Aliança, Alto de Pinheiros e Pacaembu em São Paulo e vários outros no interior e até em outros estados.

Os lotes da City
Os lotes da City

Os bairros, todos planejados no conceito que a city chama de “cidade-jardim”, com muitas árvores e lotes com tamanho mínimo. O Alto da Lapa hoje ainda preserva um pouco desta tradição. Em meio a tanto assédio e especulação imobiliária, ele ainda consegue se manter como um bairro de casas.

Anúncio de terrenos, promessa imobiliária.
Anúncio de terrenos, promessa imobiliária.

Na falta de um piano, acabei encontrando dois, ambos alemães. Um deles é da marca Zimmermann que foi doado pela secretaria de cultura. A Zimmerman era no começo do século XX uma das fábricas que mais produzia pianos no mundo. Ele está afinado, possui um timbre bem metálico e agudo. O outro é da marca Ritter & Halle, que tem um timbre mais macio, equilibrado, está bem afinado. A fábrica Ritter & Halle foi fundada em 1828, era uma fábrica pequena. Em 1912 eles produziam anualmente apenas 1.200 pianos, contra os 10.000 pianos da gigante Zimmermann. A empresa era familiar e teve que fechar as portas em 1945, pois não haviam herdeiros para continuar o negócio. Em 2010, a fábrica foi reaberta com ajuda de investidores que resgataram a marca e migraram seus negócios para o oriente, hoje os pianos Ritters são produzidos e exportados para toda a Ásia.

Cantei o standard de jazz chamado Can`t Get Started de Ira Gershwin e Vernon Duke, a letra conta a história de um homem muito avançado para sua época, que teve muitos pontos altos na vida, mas considera sua mais difícil e mais valiosa conquista, o amor da mulher amada. De uma certa maneira acho muito parecido com a vida de Aúthos Pagano.

Ao escrever este post me lembrei de outro personagem deste blog. Elizeu Storion do Terraço Itália, que viu a cidade crescer do topo do edifícil mais alto durante 26 anos, o homem que cronometrava o pôr do sol. Dois homens e seus respectivos jeitos de observar o mundo, suas impressões sobre a cidade, a poética de suas rotinas cotidianas, suas maneiras de viver e ver o tempo.

E os pianos, fixos nestes lugares, observam a eterna fluidez dos fenômenos.

Um beijo, até o próximo piano!

Alessa

01/06/12

Video: Agustin N.Oroz

Ps: Um beijo para a Marília de Moraes Benini, Alcione e Dra. Carmela, outro para todos do Centro Cultural Aúthos Pagano pela gentileza e entusiasmo.

 

Piano nº 7 – Piano de Jangada

O Kemble do Hospital São Camilo.

 

 

 

 

Os hospitais são lugares que vamos quando algo em nosso corpo sai fora do normal. As vezes é uma dor ruim, dor de cabeça, corte no pé, dor de barriga, febre, acidentes. As vezes não tem nada a ver isso,  pode ser bom como é o nascimento de alguém, a notícia de uma cura. Mas, em resumo, o objetivo do hospital é que ao sair nosso corpo esteja bem.

E quando não tem a ver com corpo? Dentro do nosso corpo parasitam tantos mistérios. E quando temos que curar dores de outra ordem? Dor de cotovelo, dor de corno, paixonite, ataques de riso…Será que é por isso que aparentemente todo hospital possui um piano? Como se a música fosse um remédio das coisas de dentro?

Acredito que este blog encontrou seu primeiro grande mistério. Quase todos hospitais têm um piano. Por que? Quem começou esta moda? Já sabemos que a música acalma, mas será que é só isso? Fui infectada pelo vírus da curiosidade.

É a curiosidade a molécula da ciência e é nela que toda a medicina se apoia. Mas e para coisas além da ciência, como a fé? Quem explica? Não é no mínimo curioso que a maioria dos hospitais tenham nome de santos? O nosso endereço de hoje é o Hospital São Camilo, que fica na avenida Pompéia.

A Pompéia é um bairro muito querido em meu coração, berço do rock paulistano com os Mutantes, consegue manter ainda uma cara industrial antiga, com os armazéns da antiga Companhia Urbana e Predial do empreendedor Rodolpho Miranda que batizou o bairro inteiro com o sobrenome de sua esposa Aretusa Pompéia. Este sofria de paixonite aguda, meu nome é estranho, mas Aretusa…devia ser muito bela. Foi neste bairro que comecei a tocar piano, onde até hoje me dirijo todas as quartas-feiras para ter aula com minha mestra Silvia Góes. Bairro de imigrantes que vinham atrás dos empregos nas fábricas. E seu crescimento tem muito a ver com a chegada dos padres Camilianos na região em 1935 quando ainda era apenas uma clínica, Policlínica São Camilo, para em 1960, depois de 16 anos de contrução ser inaugurado o Hospital São Camilo.

Conta a história que Camilo de Lellis foi militar, dado à joguatina e só se metia em confusão, perdia tudo que tinha e se enveredava pelos prazeres mundanos. Ele carregou a dor de uma úlcera no pé durante toda sua vida. Tinha perdido todo seu dinheiro, apostado até a camisa do corpo, quando foi parar num hospital, e desta experiência foi arrebatado pela fé, se tornando voluntário e ajudando os enfermos.  Foi o fundador dos Camilianos, ordem religiosa que se dedica aos doentes. E parece que no dia de sua morte, por milagre a úlcera do pé estava curada. Os Camilianos vindos da Itália chegaram ao Brasil no final de junho de 1922, passaram por Mariana, em Minas Gerais, e pelo Rio, até se instalarem definitivamente em São Paulo.

Na arquitetura do hospital ainda permanece sua primeira estrutura antiga, além de uma outra mais moderna inaugurada em 2005. A mesma data em que nosso piano foi parar lá. Ele foi comprado de um misterioso restaurador na zona leste, escolhido literalmente a dedo pela arquiteta que trabalhava nas obras e que também sofria de paixonite pianística.  Está no saguão e é de livre uso para todos, mas geralmente são os pacientes que se consultam com o “doutor Kemble”.

O piano é um meia cauda de uma madeira castanha muito bonita, tem o som ótimo e está em plena afinação. É da marca inglesa Kemble, que é relativamente nova, fundada em 1911. Como ele veio parar no Brasil? Mistério.

Curiosidade e mistério, ciência e fé, parece que neste piano tocam a mesma tecla. Sempre fui mais do lado da curiosidade e da ciência do que do mistério e da fé, mas acho que vou ter que viver com os pequenos mistérios que irei encontrar neste blog. Por que todos os hospitais tem piano? Como o piano inglês foi parar no hospital dos padres italianos que vieram para o Brasil? Quem era o restaurador de piano da zona leste? Será que achá-lo irá me deixar mais perto da trajetória do Kemble? Por que a música cura dores que não aparecem em nenhum exame, mas que são tão presentes que até nos fazem sentir sintomas físicos? Por que toda vez que eu faço este blog, eu tenho a sensação que não estou encontrando só pianos, mas a mim mesma?

Só de birra, de não poder responder estas questões, vou espalhar mais um mistério por ai. Cantei a canção Dora do Dorival Caymmi, que entendia os mistérios do mar e os aceitava com a sabedoria de um monge. E não vou contar porque escolhi esta canção…será o meu jeito de retribuir todas as perguntas sem respostas que encontrei com este piano.

Beijos de Monalisa para vocês e até o próximo piano!

Alessa

14/05/2012

video: Agustin N.Oroz

ps1: Este vai em especial a minha mãe e minhas avós pelo dia das Mães.

Ps2: Será que o piano inglês que fica no hospital dos padres italianos no Brasil, veio de jangada e atracou na Bahia do Caymmi??? Nossa…não vou conseguir dormir pensando nesta imagem…

https://maps.google.com/maps/ms?msa=0&msid=215386675363289333682.0004ba72ca008e2cd80c6&ie=UTF8&ll=-23.542544,-46.66212&spn=0.016253,0.057524&t=m&iwloc=0004c01323a9d268b637e&output=embed
View Alessa, a Cidade e os Pianos in a larger map

Piano nº 6 – Você é o seu piano.

foto: Bruno Teixeira Martins
foto: Bruno Teixeira Martins

 

Dedicado aos carregadores de piano.

Quando iniciei este projeto, o primeiro lugar que queria tocar era na estação da Luz. Lá por volta do terceiro, quarto post, flertei com a Luz novamente. Todos meus namoros foram impedidos devido a condição que se encontrava nosso piano. Quebrei o encanto hoje, 1 de maio, dia dos trabalhadores.

O piano fica no meio do saguão principal e está rodeado por colunas e um pé direito incrível. Os arcos em torno são todos trabalhados e a estação é uma das locações mais bonitas de São Paulo. Parece até um portal do tempo que nos leva a uma época em que pegar trem era sinal de riqueza. A estação tem vizinhos tão imponentes quanto, o Museu da Lingua Portuguesa, a Pinacoteca e a Sala São Paulo.

Nosso “entrevistado” é um Fritz Dobbert de armário da cor castanha, que foi parar lá de maneira muito curiosa. Em 2008, o artista plástico inglês Luke Jerram iniciou o projeto “Play me, I`m Yours”. Ele viaja o mundo todo colocando pianos em vários pontos das metrópoles. Uma invasão de pianos, incentivando a interação e a recriação de relações dentro da cidade. Em outubro do ano em que se iniciou o projeto, “Play me, I`m Yours” virou “Toque-me, sou teu”, e em parceria com o SESC, 8 pianos foram esparramados por São Paulo durante 10 dias. Dois deles foram adotados pela CPTM, um é itinerante e o outro fica na estação da Luz.

Até agora este é o piano mais público que eu encontrei. Não tem catraca, nem precisa comprar passagem, nem falar na recepção para tocá-lo.  É só sentar e tocar. Ele tem a impressão digital de todos. Interessante perceber que este piano, o mais público dos pianos, está um lixo. Suas condições são deprimentes e o sentimento mais latente é de dó,

Este blog vai muito além de mapear os pianos da cidade como se fosse um catálogo, comecei a entender isso recentemente. Talvez sua relevância seja muito mais a de contar a história de São Paulo com teclas musicais. Acho que é por isso que as pessoas acabam se apaixonando pelo blog.

A história contada pelo piano da CPTM é de abandono. O centro imponente que se quer contruir, a limpeza de que falam, descarrilha ao se escutar o som do piano público. Você é o seu piano. Esse é o mote deste blog, em todos os posts isso foi coerente. O centro que se quer esconder se revela nas teclas quebradas e desafinadas. O estranho é que toda o resto da estação está conservado. Guardas cuidam do patrimônio da estação mais branca de São Paulo, mas do piano…

Alguns podem endereçar a culpa pelo estado do instrumento ao mau uso das pessoas que passam, que são muitas. Mas isso não explica porque as paredes estão conservadas e o piano não. Afinal este piano é de responsabilidade da CPTM.

Toquei a música Canção do Sal de Milton Nascimento, a execução foi bem difícil e ficou comprometida. Tinham regiões do teclado completamente inoperantes. A acústica da estação deixa o som preso dentro no saguão, acabei incorporando os ruídos, as pessoas falando, na gravação. Atentem para os sons externos quando forem ouvir o video. Dá pra escutar coisas incríveis no som vindo das pessoas, como se toda cidade estivesse alí. Escolhi esta música propositalmente para este 1 de maio. Vou colocar um trecho da letra que para mim fala tudo.

Trabalhando o sal pra ver a mulher se vestir

E ao chegar em casa encontrar a família, sorrir

Filho vir da escola, problema maior é o de estudar

Que é pra não ter meu trabalho e vida de gente levar 

Água vira sal lá na salina

Quem diminuiu água do mar?

Para mim, o piano se assemelha ao mar, pesado, misterioso, mutável, líquido, velho, mas sempre em reconstrução, pra onde tudo corre.

Trabalhar com cultura não é fácil, é preciso banca-lá incessantemente até que esta possa mudar relações, re-educar. A palavra cultura também significa hábito. Se um desafortunado vai e estraga o piano, é preciso consertar, e se estragarem de novo, é preciso consertar novamente, de novo e de novo, até isso virar hábito. Para que o piano seja de todos e não mais de ninguém. Isso é acreditar em cultura. Não é só quando o gringo vem pro Brasil com exposição mundial.

Conversei com alguns que se aglomeraram em volta para me ver tocar e nenhum deles acredita que o piano está bom. Não é porque se é pobre que se é surdo, ou não se reconhece realmente o som de um piano minimamente afinado. Eles não estão sendo enganados.

A cultura tem um poder mágico de tirar o melhor das pessoas, ela entra no ser humano sem nenhuma barreira, sem nenhuma distinção de classe ou cor. Elas são arrebatadas por aquele sentimento de encantamento. As pessoas respeitam a cultura porque existe uma troca. Ela entra dentro de você e te muda e você acaba refazendo a história dela.  CPTM, faça por merecer.

Um beijo, até o próximo piano

Alessa

01/05/2012

Video: Agustin N.Oroz e Bruno Teixeira Martins

Ps: Quando gravei este post, o programa Paratodos da TV Brasil fez uma matéria com o blog. Quando for ao ar eu aviso. Eles contactaram a CPTM para falar da situação do piano e esta prometeu que o piano estaria em ordem. O mesmo fez a revista da Folha de São Paulo quando o blog saiu em outra matéria em abril, para a Folha eles falaram que o piano iria ser restaurado e que dia 9/04 ele estaria em ordem. Eu fui lá no dia seguinte e o piano continuava péssimo. CPTM, agora é pessoal.

Dó central.

Olá a todos,

Este é o primeiro post do meu recém-lançado, porém já querido, blog. A meta é a seguinte: a cada 15 dias, um piano novo, um novo lugar para eu conhecer, me apresentar como cantora/pianista e contar para vocês a experiência. Vou falar sobre o lugar, o piano, as músicas e o processo que me encontro. Quantos pianos existem na cidade?! Não faço idéia, mas espero descobrir.

As razões pelas quais começo este projeto são várias, mas acho que a maior delas é o fato de que isso vai me empurrar para o mundo real. Passo a maior parte do meu tempo dentro do meu quarto, estudando/trabalhando, e este projeto irá me jogar no meio da cidade. Funcionará como uma espécie de terapia para sair da concha, o famoso “desovar”.

No Brasil, um piano costuma ser algo inusitado de se achar. Imagino que na Áustria (ou em algum país cujo clima e história remeta a esse instrumento) isso seja recorrente. Mas aqui, no país do violão, quando entramos num lugar e vemos um piano, não conseguimos deixar de notar e falar com surpresa: “Olha! Um piano!!”. Como se estivessemos achado um bilhete premiado.

O que acontece em muitos casos é que este bilhete premiado geralmente está largado, encostado, desafinado e sob uma camada grossa de pó. E, para um piano, que é o senhor dos instrumentos, o sol de toda a música, isso é muito deprê. O instrumento não aguenta tanta humilhação.

O piano é um instrumento pesado de difícil mobilidade, então quando ele está lá, qualquer que seja o lugar, é porque tem uma história por trás. Ou ninguém se daria ao trabalho de carregar mais ou menos 185 kg (um piano pequeno) para colocá-lo naquele local. Qual a razão do piano estar lá? Humm… Essa é uma das coisas que pretendo descobrir.

E a minha própria história com o piano é o que me motiva em direção a esse projeto. Mas ela é muito longa para ser contada aqui. Vou diluí-la nos futuros posts. Mas a ilustração anexada tem uma história muito boa, mas isso é  pra daqui a pouco.

Me desejem sorte.

 Beijos!
ilustração do cartunista francês Jean Jaques Sempé chamada “Catherine Baillol” que se encontra no livro The Musicians