Piano nº 6 – Você é o seu piano.

foto: Bruno Teixeira Martins
foto: Bruno Teixeira Martins

 

Dedicado aos carregadores de piano.

Quando iniciei este projeto, o primeiro lugar que queria tocar era na estação da Luz. Lá por volta do terceiro, quarto post, flertei com a Luz novamente. Todos meus namoros foram impedidos devido a condição que se encontrava nosso piano. Quebrei o encanto hoje, 1 de maio, dia dos trabalhadores.

O piano fica no meio do saguão principal e está rodeado por colunas e um pé direito incrível. Os arcos em torno são todos trabalhados e a estação é uma das locações mais bonitas de São Paulo. Parece até um portal do tempo que nos leva a uma época em que pegar trem era sinal de riqueza. A estação tem vizinhos tão imponentes quanto, o Museu da Lingua Portuguesa, a Pinacoteca e a Sala São Paulo.

Nosso “entrevistado” é um Fritz Dobbert de armário da cor castanha, que foi parar lá de maneira muito curiosa. Em 2008, o artista plástico inglês Luke Jerram iniciou o projeto “Play me, I`m Yours”. Ele viaja o mundo todo colocando pianos em vários pontos das metrópoles. Uma invasão de pianos, incentivando a interação e a recriação de relações dentro da cidade. Em outubro do ano em que se iniciou o projeto, “Play me, I`m Yours” virou “Toque-me, sou teu”, e em parceria com o SESC, 8 pianos foram esparramados por São Paulo durante 10 dias. Dois deles foram adotados pela CPTM, um é itinerante e o outro fica na estação da Luz.

Até agora este é o piano mais público que eu encontrei. Não tem catraca, nem precisa comprar passagem, nem falar na recepção para tocá-lo.  É só sentar e tocar. Ele tem a impressão digital de todos. Interessante perceber que este piano, o mais público dos pianos, está um lixo. Suas condições são deprimentes e o sentimento mais latente é de dó,

Este blog vai muito além de mapear os pianos da cidade como se fosse um catálogo, comecei a entender isso recentemente. Talvez sua relevância seja muito mais a de contar a história de São Paulo com teclas musicais. Acho que é por isso que as pessoas acabam se apaixonando pelo blog.

A história contada pelo piano da CPTM é de abandono. O centro imponente que se quer contruir, a limpeza de que falam, descarrilha ao se escutar o som do piano público. Você é o seu piano. Esse é o mote deste blog, em todos os posts isso foi coerente. O centro que se quer esconder se revela nas teclas quebradas e desafinadas. O estranho é que toda o resto da estação está conservado. Guardas cuidam do patrimônio da estação mais branca de São Paulo, mas do piano…

Alguns podem endereçar a culpa pelo estado do instrumento ao mau uso das pessoas que passam, que são muitas. Mas isso não explica porque as paredes estão conservadas e o piano não. Afinal este piano é de responsabilidade da CPTM.

Toquei a música Canção do Sal de Milton Nascimento, a execução foi bem difícil e ficou comprometida. Tinham regiões do teclado completamente inoperantes. A acústica da estação deixa o som preso dentro no saguão, acabei incorporando os ruídos, as pessoas falando, na gravação. Atentem para os sons externos quando forem ouvir o video. Dá pra escutar coisas incríveis no som vindo das pessoas, como se toda cidade estivesse alí. Escolhi esta música propositalmente para este 1 de maio. Vou colocar um trecho da letra que para mim fala tudo.

Trabalhando o sal pra ver a mulher se vestir

E ao chegar em casa encontrar a família, sorrir

Filho vir da escola, problema maior é o de estudar

Que é pra não ter meu trabalho e vida de gente levar 

Água vira sal lá na salina

Quem diminuiu água do mar?

Para mim, o piano se assemelha ao mar, pesado, misterioso, mutável, líquido, velho, mas sempre em reconstrução, pra onde tudo corre.

Trabalhar com cultura não é fácil, é preciso banca-lá incessantemente até que esta possa mudar relações, re-educar. A palavra cultura também significa hábito. Se um desafortunado vai e estraga o piano, é preciso consertar, e se estragarem de novo, é preciso consertar novamente, de novo e de novo, até isso virar hábito. Para que o piano seja de todos e não mais de ninguém. Isso é acreditar em cultura. Não é só quando o gringo vem pro Brasil com exposição mundial.

Conversei com alguns que se aglomeraram em volta para me ver tocar e nenhum deles acredita que o piano está bom. Não é porque se é pobre que se é surdo, ou não se reconhece realmente o som de um piano minimamente afinado. Eles não estão sendo enganados.

A cultura tem um poder mágico de tirar o melhor das pessoas, ela entra no ser humano sem nenhuma barreira, sem nenhuma distinção de classe ou cor. Elas são arrebatadas por aquele sentimento de encantamento. As pessoas respeitam a cultura porque existe uma troca. Ela entra dentro de você e te muda e você acaba refazendo a história dela.  CPTM, faça por merecer.

Um beijo, até o próximo piano

Alessa

01/05/2012

Video: Agustin N.Oroz e Bruno Teixeira Martins

Ps: Quando gravei este post, o programa Paratodos da TV Brasil fez uma matéria com o blog. Quando for ao ar eu aviso. Eles contactaram a CPTM para falar da situação do piano e esta prometeu que o piano estaria em ordem. O mesmo fez a revista da Folha de São Paulo quando o blog saiu em outra matéria em abril, para a Folha eles falaram que o piano iria ser restaurado e que dia 9/04 ele estaria em ordem. Eu fui lá no dia seguinte e o piano continuava péssimo. CPTM, agora é pessoal.

  • profeloy em 02 de May de 2012

    Alessa, legal ver o povo parando pra ver/ouvir, ainda que não muitos. Você tocou mais alguma música ou somente essa?

    • Eloy! Quanto tempo!!! Neste post toquei somente esta. Um beijo para a Denise e a tua filhinha linda!

  • profeloy em 02 de May de 2012

    Alessa, legal ver o povo parando pra ver/ouvir, ainda que não muitos. Você tocou mais alguma música ou somente essa?

    • Eloy! Quanto tempo!!! Neste post toquei somente esta. Um beijo para a Denise e a tua filhinha linda!

  • Flavia Yumi Sakate em 02 de May de 2012

    dale alessa! me enche o peito, amore.

  • Flavia Yumi Sakate em 02 de May de 2012

    dale alessa! me enche o peito, amore.

  • Adorei o vídeo! Espero que o Fritz seja salvo pela sua iniciativa.
    Bjão

  • Adorei o vídeo! Espero que o Fritz seja salvo pela sua iniciativa.
    Bjão

  • Ziza em 02 de May de 2012

    Desde o inicio achei que esse blog tinha algo mais que apontar pianos pela cidade. Hj vi pq sempre lembro daquele piano da PUC, com sua voz estridente às portas de uma biblioteca… ou a beleza do piano estrangeiro do terraço itália… Esse piano da Luz não poderia ser diferente. Retrato de um centro desgastado pelo descaso e disputado pelas pessoas que sabem de sua triste condição. Lindo Alessa. Um dia desses de passeio de classe média pelo centro vi um mendigo tocando esse mesmo piano. Ele é mesmo um desses cronistas desafinados de São Paulo.

  • carobelopes em 02 de May de 2012

    O sal ao gado se oferece para que engorde e lucro se torne.
    O salário ao trabalhador se paga pois assim ele paga o devido.
    A educação é a única maneira de ao sol o sal expor.

  • carobelopes em 02 de May de 2012

    O sal ao gado se oferece para que engorde e lucro se torne.
    O salário ao trabalhador se paga pois assim ele paga o devido.
    A educação é a única maneira de ao sol o sal expor.

  • Rosimar em 02 de May de 2012

    Querida Alessa !!! Como sempre arrando emoções!!! Amei a música, o vídeo, seu texto e sua forma de descrever suas observações. Lembrei-me de quando morava em São Paulo e passava pela estação, como um momento do passado que volta no recente, próximo. Mas, tempo que tempo ? Linda música, tocada em tão surrado piano, não pelo trabalho de produzir sons, mas de estar em local que o tempo o fez gastar…
    Bjs

  • Rosimar em 02 de May de 2012

    Querida Alessa !!! Como sempre arrando emoções!!! Amei a música, o vídeo, seu texto e sua forma de descrever suas observações. Lembrei-me de quando morava em São Paulo e passava pela estação, como um momento do passado que volta no recente, próximo. Mas, tempo que tempo ? Linda música, tocada em tão surrado piano, não pelo trabalho de produzir sons, mas de estar em local que o tempo o fez gastar…
    Bjs

  • Alessa,
    Valeu por mais um piano!
    A Estação da Luz éh um lugar onde muitas histórias de quem construiu essa cidade se cruzam.
    Tenho uma relação pessoal com ela, pois meu pai trabalhou durante anos em frente a estação, como taxista… foi ótimo relembrar!

    Pura poesia esse blog! : ) : ) : )

    Beijão!

  • Alessa,
    Valeu por mais um piano!
    A Estação da Luz éh um lugar onde muitas histórias de quem construiu essa cidade se cruzam.
    Tenho uma relação pessoal com ela, pois meu pai trabalhou durante anos em frente a estação, como taxista… foi ótimo relembrar!

    Pura poesia esse blog! : ) : ) : )

    Beijão!

    • Obrigada Francisco e vamos ficar de olho naquele piano lá!

  • Alessa,
    Parabéns pela idéia, pelo blog, pela sensibilidade.
    A cada piano uma descoberta musical coletiva.

    Um beijo.

  • Alessa,
    Parabéns pela idéia, pelo blog, pela sensibilidade.
    A cada piano uma descoberta musical coletiva.

    Um beijo.

  • Daniela em 08 de May de 2012

    Alessa, estou DEPENDENTE do seu Blog. Que lindo, que criativo, que emocionante. E esse post… Ah, foi o mais poético. As pessoas ao redor, os sons, poesia pura. Obrigada por nos presentear com isso tudo. Sou iniciante no piano, era um amor platônico, mas agora estou totalmente apaixonada! Seu blog é inspirador! Espero que ainda haja muuuitos pianos pela cidade para vc continuar! Bjao, Dani

    • Ohn!! Adorei teu comentário Daniela. Vida longa ao blog!! Fico muito feliz com a sua reação e o carinho das pessoas!

  • Daniela em 08 de May de 2012

    Alessa, estou DEPENDENTE do seu Blog. Que lindo, que criativo, que emocionante. E esse post… Ah, foi o mais poético. As pessoas ao redor, os sons, poesia pura. Obrigada por nos presentear com isso tudo. Sou iniciante no piano, era um amor platônico, mas agora estou totalmente apaixonada! Seu blog é inspirador! Espero que ainda haja muuuitos pianos pela cidade para vc continuar! Bjao, Dani

    • Ohn!! Adorei teu comentário Daniela. Vida longa ao blog!! Fico muito feliz com a sua reação e o carinho das pessoas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *