Piano nº 1 – Estação Sé do metro – "as variáveis do cotidiano"

Fritz Dobbert da Sé

Escolhi o piano da estação Sé pelo motivo óbvio: a Sé é um marco na cidade. Estréia triunfal! Inclusive fui fazer a sessão no dia do aniversário de São Paulo. Me enchi de esperança, expectativa e coragem, escravizei uma amiga pra me ajudar e fomos para o metro. Os deuses estavam comigo!

O piano está no mezanino superior, logo após as catracas, entrando pelo Largo do Anhangabaú. Fica em frente ao lugar que os funcionários do metro chamam de “maracanã”, que é aquele espaço redondo vazado pelos 3 andares da estação. A luz entra pelo teto completando a mística do lugar.

É um modelo de piano vertical da marca Fritz Dobbert nº112, que é uma marca brasileira, o mais simples da linha. Ele faz parte do projeto “Piano no Metrô” da empresa de transporte, existem outros pianos localizados nas estações Santana, Tamanduatei e Largo Treze. É aberto para o público, qualquer um pode chegar e tocar. Quando eu cheguei tinham dois caras tocando músicas evangélicas. Esperei eles terminarem e então dei início ao meu projeto.

Para esta edição preparei algo bem popular condizente com o local. Pra não ter erro, escolhi cantar Roberto Carlos.

Ao tocar descobri que este projeto teria uma natureza muito atípica – mais ainda do que eu tinha previsto. Eu tenho que contar com variáveis que não tenho como controlar. Para uma taurina ferrenha como eu, signo de terra e estabilidade, isso é um exercício muito intenso. Todo o castelinho que eu havia construido na minha imaginação foi devastado pelas variáveis do local. É um grande “se vira nos 30” versão pianística.

O piano estava no limite entre afinação/desafinação, mas executável. De qualquer forma, isso alterou minhas reharmonizações da música, que tão intelectualmente trabalhei em meu quarto.  A acústica também não favorecia. Óbvio, é uma estação de metrô!!! De três em três minutos eu tinha que competir com o som de um trem passando!! Nada é amplificado, o microfone que eu levo é apenas para captação de som. Tive que martelar o piano como se não houvesse amanhã, adeus expressão de toque! As pessoas passando e conversando, parando na frente da camera! Um cara do metro querendo cantar comigo… Um sufoco…

No entanto, ver depois que as pessoas pararam suas pressas para me assistir foi muito, muito gratificante – ou, como eu costumo dizer, de extremo grau de fofurice. Por que o piano está lá? Para criar a sensação de uma arte espontânea, despretenciosa e surpreender as pessoas que passam despercebidas e escutam o som.  Não é nenhuma sala de concerto, obviamente. Tem uma função lúdica e didática importante para um cotidiano cada vez mais ocupado.

Sai de lá com mais perguntas do que respostas sobre como fazer o projeto. Mas incrivelmente animada e feliz.

Acho que todos podemos nos relacionar com essa coisa da timidez, ou do excesso de auto-crítica que nos emperra na vida profissional ou pessoal. Dar a cara para bater é um exercício de desapego, mas o medo nos empaca. Nem sempre, ou melhor, quase nunca as coisas sairão perfeitamente do jeito planejado. Mas fazer o que? Se esconder? Não tenho mais idade para isso e nem mais tempo a perder com este tipo de preocupação.

Portanto que venham os pianos desafinados ou em perfeita afinação. Eu só estou começando.

Beijos, até o próximo piano.

Alessa

16/02/12

PS: Um beijo para o Wlad Mattos que me deu a idéia do Blog, para Silvia Góes que me atura toda semana nas minhas aulas de piano, para Fabiola que foi minha camera girl e para a Thais e a Roberta que super estão acreditando que eu vou dar conta disso tudo!

  • Bianca em 04 de March de 2012

    Já toquei nesse piano, gostei do projeto.

  • Lucas Franco em 13 de March de 2012

    NADA é mais natural do que a loucura! Linda iniciativa.

  • Wesley Rocha em 24 de March de 2012

    Olá Alessa
    Tem um piano na Estação Pinheiros, da Linha 4 – Amarela.
    Passo por lá todos os dias, tentei tocar algumas vezes e ele está um tanto “velhinho”, algumas teclas não estão funcionando. Seria bom até para fazer uma campanha, a fim de buscar um meio de reforma-los para serem reutilizados.

    • Alessa em 24 de March de 2012

      Olá Wesley, obrigada pela informação, vou verificá-lo!

  • Alessa, parabéns pelo projeto. Gostaria de esclarecer uma questão. O piano da Estação Pinheiros, não é um projeto da Via4, e sim da CPTM. Sobre a questão do piano em local público, recomendo uma comparação: visite a estação Tamanduateí do Metro num domingo anoitinha. A acústica, pelo menos quando passei por lá, é bem diferente da Sé, de repente, vale a pena apresentar o contraste!

  • Tem um piano maravilhoso no Einstein (unidade Morumbi).
    Sempre que vou lá, preciso tocá-lo!
    Alguns pacientes e familiares param para ouvir, é muito bacana.
    Experimente!

    PS: me diverti muito com o vídeo da Sé.

  • donizeth farias em 27 de May de 2012

    ola alessa meu nome e donizeth um dos dois caras que estava cantando musicas gospel antes de voçe tocar parabens gostei muito do seu projeto e do seu jeito humilde parabens outra vez que deus te abençoe muito amem

    • Olá Donizeth!! Que incrível!! Você me achou aqui, fiquei muito feliz com teu comentário! Fique com Deus vc também!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *